28 agosto 2006

Nervos


"- Sente meu coração?
- Sim.
- Ele ainda bate..."

Ontem eu chamei teu nome o dia inteiro... ora em voz alta, ora calado, mas durante todo o dia eu chamei teu nome.
Ocorria-me diversas coisas, nenhuma delas eram fatos, nada era tão verdadeiro que me fizesse ter a certeza de querer exatamente algo.
Tudo tão ocasional... senti falta do meu nome...
Do meu nome pronunciado em voz alta, de estar no quarto e ser chamado à cozinha... senti falta do meu nome escrito numa folha e antecipando uma frase curta e de significado extenso... senti falta do meu nome dito ao acaso, do meu nome gritado, do meu nome nos olhos... do meu nome no nome.

Queria ser e apenas ser.
Não pensei que fosse pedir demais... agora só quero dormir... mas tenho medo de sonhar. Fechar os olhos tem sido tão perigoso ultimamente.

Quanto tempo resta?

...

Ainda estou com medo de sonhar...


Alguém já enlouqueceu por pensar demais?
Por achar que o que se deve fazer é esperar tudo passar deitado numa cama, com os olhos cobertos e meias nos pés?
Acho que não... e isso me assusta.


Quanto tempo já passou?

Aspas e foto: O Tempo Que Resta de François Ozon (Le Temps Qui Reste)

2 comentários:

La Pasta disse...

Rapaz, esse é meu próximo filme. Bela sintonia.

ilka disse...

Sempre chamo pelo seu...e sempre com mais intensidade!
Vê o tempo passar?Só preciso dele pra matar quem sempre desce a minha cabeça...somente, n o deixe passar por nada, só siga!
Eu te amo mais do que tudo.