08 fevereiro 2007

# Quinta - feira (qualquer vontade)

Elephant de Gus Van Sant
Haviam duas situações desde o começo. Aquela que você simplesmente faz o que não deve e aquela outra que você faz o que não tinha de ser feito, mas era necessário de certo modo. No final das duas opções, na rosolução dos fatos, você nota que o desgaste foi além do previsto e que a saudade e a distância continuam iguais, talvez ainda maiores.
Você passou todo tempo se esforçando para afastar o sentimento de culpa tentando culpar a tudo e a todos... a queda foi sua.
Tentou largar o orgulho em cima da mesa, jogando-o no chão e nas latas de lixo... mas continua tropeçando nele todos os dias.
Você ajoelhou no banheiro e vomitou todos os beijos, pos pra fora toda aquela satisfação de noites em claro e dias perfeitos... mas a cada gole daquele vinho o sabor do beijo retorna a sua boca.
...
Você fracassou ou simplesmente não quer esquecer?
Retoma tua vida, põe essa roupa suja pra lavar, arruma tua cama, dá um jeito nessa barba de semanas... "mude pra não mudar".
Ascende um incenso, toca aquele Antony and The Johnsons que está perdido em seu armário e começa a rir... ri a cada letra triste, finge que dessa vez não foi com você, finge que a culpa de tanta melancolia não é sua... e apenas ri.
Mais tarde, sai a noite, veste uma roupa sem compromisso, mas não seja omisso, saiba que a noite acontece para quem se dispõe a ela. Caminha um pouco, compra uns cds, vai a boate e castiga teu corpo, põe a Miss Kiitin pra trabalhar e, o mais importante, não se decepcione.
Quando amanhecer volte pra casa... a noite já não existe e não te diz mais nada de útil, não te acolhe, não é mais a puta da situação, seu dinheiro não paga um novo drink e sexo não é o que você precisa.
Não tome banho, durma com o cheiro impregnante de cigarro nos cabelos e na roupa, com o suor e todas aquelas energias misturadas, mergulhe no sofá mais próximo e se permita esquecer... não atenda telefone, não responda mensagens e não se dê ao trabalho de atender a campanhia... seja judeu por um dia e se quer lave os pratos. Não será o fim se você, por dois dias, fingir que não existe.
Ao acordar, coma o que tiver vontade, assista um filme, sinta o peso de um Elephant mas não se renda ao drama nem se empolgue demais com comédias fáceis. Leve seu dia na medida certa, sem exageros e reflexos rápidos...
Quando começar a semana novamente, saia na rua e encare todos com os seus olhos, esqueça o que eles dizem, esqueça a vida dos outros e viva o que for interessante, o que seu dia mostrar a cada manhã.
Não precisamos das dores dos outros, temos nossas próprias dores. Porém, ignorá-las é burrice. Fingir que não existem é maldade. Não se importar... é desumano.
.sabor da mesma golada. <3

3 comentários:

FOXX disse...

vou deixar de vir aki
só termino os posts me acabando de chorar

tem condição não
vai molhar o teclado todinho

vc escreve exatamente o q tow sentindo

aff


vou te linkar la

FOXX disse...

sou sim
rio grande do norte

aproveita e add
lenincampos@hotmail.com

Ilka disse...

Porque vc escrevecom o peso da realidade...
Amo.