05 março 2007

# Nem um dia...

De repente você reforça sua esperança no dia-a-dia e descobre que sim, você está feliz e é sincero com tudo aquilo que faz e pensa.
No outro dia continua sabendo-se feliz mas algo está mudado, algo não corresponde a esse estado de harmonia entre os sentidos... não sei, aquele doce que você gosta não te alegra como antes e a maioria das músicas te incomodam.
...
Sua mãos tremem, suas pernas não largam mão daquele balançar frenético, seu peito acolheu uma agonia que passou pedindo abrigo e você sequer desconfiou. Sua cabeça gira por dentro e seus olhos não conseguem conter um choro intrometido, sem sentido e incontrolável... seus lábios estão ressecados... sem lágrimas, sem água, sem beijo, sem nada... estão secos por respostas, por palavras quistas e não pronunciadas, pela espera de uma remota explicação para esses sintomas de "psicológico afetado".
Qual o quadro? Que diagnóstico prévio vai me convencer a esquecer, a não querer?
Não, esquece.
Esses abismos mentais não ficarão entre mim e o dia que mal começou a se revelar. Vou por música alta e gritar os diálogos daquele filme que se repete diariamente no meu dvd. As mãos irão fazer arte, arranjos, quadros, rabiscos, o escambal! Tremer só de pancadas, de boas recordações e diários trancados. Pernas, atenção: a ordem é me obedecer. Ponto. Passos apenas pelos caminhbos que eu estabelecer. Olhos, a instrunção é fácil: Enxerguem ao máximo, inclusive o ímplicito.
Lábios, a ordem é ser feliz e deixar a boca pronunciar todas aquelas palavras que você empurra para dentro a todo instante.
E hoje a ansiedade é quem vai me esperar, to andando e não pretendo olhar pr'os lados (errados).
Hoje Almódovar será menos para mim. Quero dele apenas suas cores e as de Frida, sem a monocelha que lhe endurece a feição. Quero lágrimas-solução.

Elisa Lucinda será mais sarcastica e verdadeira do que já fora antes. Estrearei todos os euteamo possíveis, começando com um espelho na mão e não farei Ensaios.

Vou a padaria comprar o doce que meu sorriso anseia e elaborarei palavras de crendice no meio do caminho, farei mandinga com meus pensamentos, trarei realidade de volta aos meus pés e rascunhos sinceros às minhas mãos... me iludirei apenas quando quiser voltar a ser criança, como num jogo de pique-esconde e acharei brincando todas as respostas e diminuirei todos os meus "talvez".

Hoje a resposta é sensatez!


[ Lenda - Céu ]

6 comentários:

FOXX disse...

lindo
lindo
lindo

talvez
talvez
talvez

sensatez
sensatez
lucidez
outra vez?

Viajante interdimensional disse...

nossa isso me deu um nó, =s

que agônia ler as primeiras linhas e lembrar de tantas coisas, que estranho relembrar coisas da minha vida.
:)

comentando pq li, e me vi obrigado :$

abraços

Menino G disse...

Ai, meu menino. Não há dor como a dor de não sentir dor. Bobagem né? Mas é bonitinho. Ai, essa minha insensatez...
beijos

Tônio disse...

Hoje na minha terra o dia amanheceu chuvoso, acordei 15 pras 6, gastei seis reais a mais por ter perdido o onibus, vou passar uma semana longe do meu bem, meu blog deu pau, e não to com saco pra tentar consertar, acho que to me cansando da UOl e talvez eu esteja me cansando de blogs afinal, estou com cara de poucos amigos, se perguntarem por mim: eu não to pra ninguém, acordei azedo, calado, enfim! Mas dei uma passada aqui, isso porque eu nem gosto deste blog. Acho que meu peito acolheu uma agonia que passou pedindo abrigo e nem sequer desconfiei, bom vou lá buscar rascunhos sinceros as minhas mãos porque meus pés estão perdidos, cansados e molhados da chuva!
Tônio

Egídio La Pasta Jr disse...

Bichinho, deu vontade de te dar um abraço e ficar de cafuné a tarde toda, o dia todo.

beijo

Irun disse...

Mostrar nossos pensamentos, palavras certamente trazem consequencias ao mundo em nossa volta...é o que da o tempero... apimenta nossas vidas...
é muito bom ler suas palavras...
Tornar simples as coisas complexas... como faz neste texto... como tomar banho de chuva...e curtir pra caramba...
te desejo muita felicidade

Parabéns por suas conquistas
bj