04 outubro 2007

"E o Pierrot, Chora!"

"Sabe lá o que é não ter e ter que ter pra dar, sabe lá.
E quem será, nos arredores do amor, que vai saber reparar que o dia nasceu... só eu sei...
...o que é morrer de sede em frente ao mar... a nave em breve ao vento vaga de leve e trás toda a paz que um dia o desejo levou... só eu sei."
[ Esquinas de Djavan ]

Era engraçado a maneira como fechava os olhos enquanto nos abraçávamos.
Algumas coisas pareciam surgir nessas frações de segundos... sussurros mal esclarecidos, intuições desapercebidas... presenças.
Tudo impregnado de qualquer coisa que não consigo identificar.
Eu estava lá mas era como se os braços não fossem meus, a vontade e o abraço criavam apenas um cenário que eu não fazia questão de participar.

Pensei em pianos e na voz doce de um homem... difícil, mas claramente doce para mim. Me encontrei conversando com essa voz durante extensos minutos, e ela sempre me respondia atravéz da minha imagem refletida na televisão desligada.
Tudo apagado, escuro.
Mas como em Âmbar, tudo aceso por dentro, tudo queimando e eu sentia esse calor com a ponta de meus dedos suados, mas não conseguia tocá-lo.
... E era tudo pra você. Esse alguém que esqueci o nome no fundo de uma gaveta, que rasguei fotos para não me deparar com os melhores momentos do ontem ao chegar do trabalho, para não lembrar que certas coisas acontecem apenas uma vez e que não podemos ficar esperando que retornem todos os dias pela manhã.
Escondi aquele cd... as vezes, precisamos apenas saber que determinadas músicas existem e que tocá-la novamente não é necessariamente uma regra.

E o assunto é sempre o mesmo, será sempre o mesmo até que eu consiga fingir novamente que o assunto aqui não sou eu... que não é você.
Nada pessoal.
Deixei o poeta que ainda não havia chegado um pouco de lado. Deixei, por ora, atrás da porta, a dor fingida e a que realmente sinto. Minha autopsicografia falhou.

Parei de fingir.

O Pierrot agora concilia o choro e o riso como criança assutada e indecisa. Precisa de menos colo e mais companhia... precisa de insistência e persistência. Não quer ser adulado, mas quer que se importem pois ele tenta se importar. Quer andar com os próprios pés, mas quer ter mãos de outrem ao seu alcance, quer mais de uma pegada no caminho.
Ele precisa de lenços de papel...
Ele não suporta ficar sozinho, mas não quer que lhe acompanhem o tempo todo.
Ele escreve para se distrair e brincar de dizer a verdade.
Ele escreve para amenizar o pensar gratuito.
Ele não é Clarice.
Ele não fingi ser o Pessoa.
Ele admira o Drummond de Andrade.
Ele aprecia Chico e se confunde com a coerência irritante do Veloso.
Ele chora com a Bethânia.
Ele acredita e, muitas vezes, tenta discordar de Vinicius e Tom... ele fracassa.
Ele vai ao cinema sozinho.
Ele se masturba sozinho e isso deixou de ser religião.
Ele não quer outra Colombina, quer apenas ser Arlequim.

...

Engraçado como toda regra é feita para ser quebrada por quem acreditava nela. Conceitos e teses são derrubados a todo minuto, temos de nos adaptar.

E o assunto é sempre o mesmo, será sempre o mesmo até que eu pare de fingir que não chegou minha vez.

[ Code Red - Tori Amos ]

6 comentários:

puzzle disse...

..."as vezes, precisamos apenas saber"... certo? nada pessoal (rs)

Velhas lembranças se recusam a permanecer, Como o sol através das árvores, Em um dia nublado. AHHH se não fossem os momentos (muitas vezes mínimos e tão óbvios) e as regras para serem quebradas e questionadas.

"E quem será, Na correnteza do amor que vai saber se guiar???"

A independência, a descoberta de como é prazeroso passar um tempo sozinho e outros tipos de vivência nos ajudam a compreender nossa individualidade, a aceitar de bom grado nossa condição de unidades. Isso é ótimo, pois abre caminho para novos paradigmas amorosos: em vez de metades que se unem, indivíduos únicos que se aproximam. Então... Os novos relacionamentos serão baseados no respeito, na admiração, na confiança mútua, no encantamento sexual e no fascínio de cada um pelo jeito de ser do outro.

Amo?? sim!!! AMO MUITO!!!
adorei a visita

"são coisas que preciso me desabafar" (conciliação - cidade negra)

bjs eternos

FOXX disse...

kd vc no msn?

Tônio disse...

Sabe garoto, eu já passei umas dez vezes por aqui, li, reli, li denovo, comecei a escrever umas cinco seis vezes, o coração mandou, mas a mente não sincronizou com os dedos sabe? O coração está perdendo a autoridade nesse corpo.

Depois que eu li teu comentário eu sorri e pensei: como a gente busca as coisas, como a gente quer as coisas, como a vida nos impõe barreiras às coisas que a gente quer, é difícil não poder...

Eu senti saudades tuas, muitas. sinto sempre quando entro no meu e vou ao teu (sempre o teu é um dos que sempre vou) e ainda encontro os escritos de outrora com essa saudade de ontem a noite. quando eu te leio eu sinto minha escrita menos sozinha. entende?

Acredito que tenha notado, eu to num período de mudanças, não sei se vão acontecer, e talvez, eu me encontre no início do caminho novamente ou tenha que mudar os rumos caso nada aconteça. Meu coração ta na ponta da faca, ele está cheio, transbordando, feliz e também, por isso, pensar em mudanças e tudo mais é difícil. Junto com tudo isso minha escrita ta tentando achar uma outra forma, é difícil, meu último post é um prova disso. As vezes eu leio meu último post e parece uma recaída. Escrevendo isto parece que to me justificando pra você..engraçado isso, e eu sou aquele que não gosta de satisfações (pelo menos penso ser), mas enfim, você já faz parte de...

Talvez um dia, sabe lá quando, eu more em São Paulo, a vida é tão imprevisível sabe...

Você (também) deveria morar em Porto Alegre!

Andaríamos na rua da praia com a mesma calça jeans (ou bermuda), camiseta básica e chinelas rasteiras...conversaríamos em frente a casa de cultura mário quintana, iríamos no cinema ou teatro (vamos aos dois?), tomaríamos algo após isso e voltaríamos a conversar

seria um dia normal... um ótimo e diferente dia normal (e só eu sei como sinto falta de dias assim).

beijo grande e forte abraço!

(NÃO SUMA!!!!!)

FOXX disse...

esse pierrot precisa de colo

Tônio disse...

Por onde anda você? garoto!

Jarbas disse...

uau!
tipo ... uau!

tô meio sem palavras ... muito lindo os textos...


adorei!