06 outubro 2008

Na Linha

Foi brincando de cair que vi no que podia me sustentar.
Tentei
mas não quis
Descartei
joguei fora sem abrir
Fora
A embalagem
Joguei fora a embalagem achando que era capaz
o suficiente
para ser o que quisesse
Sozinho
O que quisesse

E abri um livro.
Um novo livro
Folheei
comecei a ler pelo meio
algo novo
novas invenções
minhas invenções
um novo livro

Ser egoísta.
gostar de ler quadrinhos
de vez em quando
um dia, não dois
Quadrinhos
Faz-de-conta necessário
numa tarde
ou duas
e ser egoísta...
... ser o que quisesse

De repente
você me olha
novamente
tudo começa a encaixar nas linhas
meus pés
nas linhas
seu olho.
minhas mãos.
seus pés.
meu cabelo.
seus lábios.
meu medo.
nas linhas que
você
nas linhas que
eu
na linha em que os
nós
pisam...
e pisam
...
e pisam
[ nos ]
pisam
e pisam
[ nos ]
nós
pisamos
e pisam...
nós
na linha
.

6 comentários:

Carla Jemima disse...

que lindo!!!
amei o poema...
é seu?

ah, desculpa, nem me apresentei:
sou Carla!
estava procurando umas coisas no google e acabei achando o seu blogger... e achei lindo!^^

fikei facinada pela sua intimidade com as palavras...

bjim e parabns!

e depois, se vc quiser, passa lah no meu blogger!

xau
^^

FOXX disse...

já disse q sou seu fã?

Tônio disse...

sinto tua falta

Tônio disse...

sinto tua falta

Thyago David. disse...

Opa.. gostei muito do seu espaço rapaz.
Para um 'fingidor', ta tudo muito real.
Gostei mesmo.


Abraço.

Kivia Nascentes disse...

esse seu blog é uma perfeição.
devia fazer um livro. eu compraria.