09 outubro 2006

# Segunda - Feira (Angústia, prazer!)

Distrair um sentimento pode ser, por vezes, simples. Despistá-lo parece tarefa irrealizável.
Já me acostumei com a idéia de que não aparecerá ninguém com significado semelhante.
Como acostumar com a máxima irrefurtável?
Já foi, passou, acabou... É simplesmente assim?
Uma palavra, um verbo apenas?
Poderia me ser suficiente mas o conformismo não é bem a minha melhor qualidade.
Sempre quis tanto. Tanta coisa almeijada para mim. Muitas delas conquistei e me fiz feliz assim, outras tantas continuo querendo. Teve também aquelas que alcancei e parei de desejar como antes...
Se conseguirei tudo o que desejo ainda é pergunta sem resposta definida.
Mas como continuar querendo o que já foi definido que não poderei ter?
Hoje sei apenas o que não desejo para mim...
Sei que nãp consigo mais me machucar, me ferir sem querer e sem culpar. sei que não consigo mais sentir essa dor angustiada, esse cativeiro ansioso, essa dor físíca que não me deixa raciocinar, essa vontade de não ser para não sentir, essa ausência de certezas em troca de dúvidas latejantes, esse desejo persistente de me ausentar, esse quereres paradoxal de estar perto e fugir pra longe...
... Essa hipérbole de amor e saudade, esse eufemismo de alegria...
Esse medo de estar só... esse estar...

Até onde estarei são para decidir?
O que preciso fazer para ser merecedor... parar de perguntar?


"'...Cause I'm tired of whys, choking on whys
Just need a little because, because..."
[ Fast As You Can - Fiona Apple ]

Um comentário:

Menino G disse...

Oi cara, blz?
Querer é sempre um problema, principalmente quando vc quer muito alguma coisa que vc não sabe o que é, mas vc quer e como vc quer. Tudo dentro de vc se contorce de tanto querer, é dor, é fome de querer e querer mais. Querer, querer e nunca deixa de querer a alegria e a tristeza qualquer sentimento, qualquer coisa que se sinta.